Diversidade na unidade

Diversidade na unidade

Compromisso de todos

As vezes pensamos ser estranho pessoas comerem carne de cachorro, besouro assado, ou pintarem o corpo para louvar o Criador, ou ainda dançarem festivamente para comemorar a boa colheita, o nascimento de um filho ou a chegada de um ente querido... Toda essa diversidade comprova o fato de que vivemos num mundo de culturas e tradições variadas.
Vale a pena conhecer, valorizar e respeitar essa diversidade que há em nossa unidade!

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Meio ambiente: preocupação de todos!



Novembro para não esquecer!


Veja também:
http://www.criativaonline.com.br/index/noticias/id-64277/subtenente_benjamin_publicou_mensagem_sobre_o_dia_da_consciencia_negra

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

III Simpósio Intercultural é incentivo a Lei 11.645/08

Numa organização da equipe do Centro Estadual de Educação de Jovens e Adultos Vale do Guaporé (CEEJA), em parceria Fundação Nacional do Índio – FUNAI, Conselho Indigenista Missionário – CIMI, Conselho de Missão entre Índios - COMIN e Universidade Federal de Rondônia - UNIR, aconteceu de 21 a 23 de Outubro de 2016, em SERINGUEIRAS – RO, o III SIMPÓSIO INTERCULTURAL TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE com o tema: Território, territorialidade, povos indígenas e educação ambiental.
Estudantes do ensino fundamental e médio, acadêmicos do Centro Universitário Claretiano, professores da rede municipal e estadual dos municípios de Seringueiras e São Miguel e lideranças indígenas Kujubim e Puruborá participaram ativamente das atividades desenvolvidas durante os três dias de simpósio. Houve também a participação de representantes indígenas Amondawa e Macurap que se encontravam em missão na Base Bananeiras - Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau. 

Os objetivos do III Simpósio Intercultural foram:
Objetivo Geral: Propiciar à comunidade local momentos de diálogos sobre os povos indígenas em Rondônia, para conhecer a pluridiversidade indígena brasileira e compreender suas diferentes formas de viver e conceber a vida humana, a vida dos animais e dos vegetais a partir de suas filosofias/cosmovisões, tendo como referência as relações que estabelecem com a natureza.

Objetivos específicos:
- Suscitar o debate sobre a temática indígena no município de Seringueiras, São Miguel e região a fim de conhecer a realidade indígena brasileira;
- Entender as diferentes formas de ver o mundo tendo a natureza como centro;
- Refletir sobre os conceitos de terra, território e territorialidade sobre os processos sociais /históricos /econômicos ocorridos na região;
- Reconhecer as diferentes formas de produção do saber dos povos originários, a partir da crítica do Pensamento Decolonial.
- Mostrar a importância da defesa do patrimônio material e imaterial como tarefa essencial na conquista da cidadania plena.

1ª etapa: Educação Ambiental e Indigenismo em Rondônia: uma história indígena viva! – Fundação Nacional do Índio – FUNAI 
Walter Meira

Debate sobre as histórias do contato e as lutas indígenas em Rondônia;

Apresentação de dados demográficos, mapas de localização das Terras Indígenas em Rondônia e da diversidade étnica presente no Estado.

2ª etapa: Índios misturados? História, contextos e antropologia. Quem é índio no Brasil? - Conselho Indigenista Missionário – CIMI 
Virginia Miranda

Trabalhar com alguns fragmentos do documentário 500 almas; Discussão sobre emergência étnica/etnogênese Apresentação de conceitos da antropologia;
Desconstrução da ideia de índio construída na mídia, nos livros didáticos, nos programas de televisão, etc.

3ª etapa: Antropologia e direito, teoria das relações inter étnicas. Conselho de Missão entre Índios - COMIN 
Drª Jandira Keppi
A legislação brasileira e os direitos adquiridos.

4ª etapa: visita dirigida Terra Indígena URU EU WAU WAU – Base Bananeiras 
Rieli Franciscato
Educação ambiental e povos indígenas: uma realidade.

Metodologia: Utilização de documentários; Filmes; fotografias; músicas; textos didáticos sobre a temática. Discussões em grupo e construção de painéis reflexivos sobre a temática. 

"A realização do III Simpósio Intercultural cumpre o que determina a legislação vigente, concretamente incentiva ações e realiza atividades interdisciplinares que efetivamente colocam em prática a lei 10.639/03 e a lei 11.645/08, cuja determinação reforça um resgate histórico quando determina que as escolas do Brasil trabalhem temas voltados para a história e cultura indígena e afrodescendente.", enfatiza a Professora Berenice Azevedo.


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

III Simpósio Intercultural Território e Territorialidade

A equipe do Centro Estadual de Educação de Jovens e Adultos Vale do Guaporé, convida professores e alunos para o III Simpósio Intercultural, que acontecerá de 21 a 23 de outubro de 2016, nas dependências da escola Rui Barbosa, em Seringueiras. 
Numa  parceria com o Conselho Indigenista Missionário-CIMI, Conselho de Missão entre Índios-COMIN, Fundação Nacional do Índio-FUNAI e Universidade Federal de Rondônia-UNIR, o Simpósio terá como tema Território e territorialidade: povos indígenas e educaçã
ambiental, o evento objetiva discutir a temática indígena no estado de Rondônia, envolvendo questões sobre etnicidade, emergência 
étnica, territorialidades indígenas no estado de Rondônia, ainda a questão ambiental e o desenvolvimento sustentável eTerraIngenas. 
Somando conhecimento e sabedoria 
para melhor construir o futuro 
e a história regional. 

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Conclusão 1ª etapa - 2016 - 122ª FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO


 A participação no Projeto Resgate começa em sala de aula, perpassa pela visita dirigida para pesquisa e culmina na apresentação dos resultados obtidos.
Alunos do CEEJA Vale do Guaporé participando da conclusão da 1ª etapa.


Durante a apresentação, os estudantes-pesquisadores mostraram o que viram em Porto Murtinho - São Francisco do Guaporé, durante a 122ª FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO.
 
A festa do Divino Espírito Santo no vale do Guaporé envolve brasileiros e bolivianos, acontece na fronteira de Rondônia com a Bolívia e é a maior manifestação cultural-religiosa da região.

A romaria
Devem constar no Batelão:
1 encarregado da coroa
1 encarregado do batelão
1 alferes da bandeira
1º e 2º mestre
1º e 2º caixeiro
1º e 2º mensageiro
8 foliões
1 salveiro
12 remeiros

Os representantes do festejo são legitimamente sorteados:
Imperador e Imperatriz
Capitão do mastro
Alferes da bandeira
Mordomos

Imperador e Imperatriz: merecem inteira obediência por parte de todos os membros da Irmandade do Divino Espírito Santo, a eles compete estar presentes na recepção do batelão, nos cortejos, nas celebrações e nas visitas nas residências dos irmãos e devotos, sempre presentes onde estiverem os símbolos do Senhor Divino Espírito Santo.
Capitão do mastro: a ele são confiados a ornamentação do Mastro, o porto oficial, a igreja e tudo que dor ornar deve estar sobre coordenação dele.
Alferes da bandeira: a ele compete participar da romaria do batelão, pois é o condutor da bandeira em todas as manifestações.
Mordomos: são os agentes de ligação do Imperador, da Imperatriz e da diretoria, são os recepcionistas, são pessoas a quem são confiadas a missão de guiar a romaria (cortejo) nas visitas nas casas dos irmãos e devotos, eles que indicam as residências que devem ser visitadas, horário de início e encerramento.


Há alguns símbolos que compõem essa tradição. Símbolos são imagens, sinais ou objetos a que se dá um significado moral.
Barco (Carité): igreja, capela fluvial.
Remo: instrumento usado para deslocar a carité e ao mesmo tempo jogando água saúda o povo.
Buzina: instrumento de som que anuncia a chegada e a saída da carité nas localidades, momento de silêncio da comunidade.
Ronqueira: instrumento de alerta para breves acontecimentos comemorativos na chegada e saída do barco e nas celebrações.
Meia-lua: movimento da carité antes de aportar, significa saudação, cumprimento, sinal de humildade, e aliança.
Lenço branco e colete: são símbolos de identificação constituídos por normas legais e aprovados por unanimidade pelos principais membros das irmandades. Branco sinal de pureza e paz.
Escrínio sagrado: usado para guardar os símbolos do Senhor Divino Espírito Santo.
Bandeira escarlate: representa as normas de identificação religiosa.
Cetro: representa o poder e o respeito ao comando do Império Real.
Coroa: representa o poder do imperador da humildade, Divino Espírito Santo.
Fita: simboliza a fé dos devotos. A fé não tem uma medida exata, por isso as fitas tem diversos tamanhos e várias cores.
Mastro: símbolo de fé, confiança e crença do povo.
Pombo: símbolo do Senhor Divino Espírito Santo.
Tarou: instrumento usado em todos os momentos de peregrinação da romaria (caixa).
Violão: instrumento de grande popularidade, usado especialmente para acompanhar os cantos dos foliões em louvor.





segunda-feira, 6 de junho de 2016

Porto Murtinho recebe a 122ª Festa do Divino Espírito Santo e realiza festejo pela 1ª vez

A festa do Divino Espírito Santo no vale do Guaporé, na fronteira de Rondônia com a Bolívia, é a maior manifestação cultural-religiosa da região norte.
1º festejo em Porto Murtinho, distrito de São Francisco do Guaporé, realizado de 11 a 15 de maio de 2016.
















Protagonizar a própria história é reconhecer que a esta mesma história é viva, simples e receptiva!


terça-feira, 21 de abril de 2015

A maior tradição de Rondônia

Vários meios de comunicação acompanharam a passagem do maior evento religioso-cultural de Rondônia, a Romaria do Divino Espírito Santo, durante a passagem por Costa Marques, de 17 a 22 de abril deste.
Em situação inédita a Romaria do Divino Espírito Santo visitará o município de Seringueiras, Rondônia.
Transcrevemos aqui o convite da irmandade local:
"A Irmandade do Divino Espírito Santo de Seringueiras convida você e sua família para receber em nosso município a maior tradição religiosa e cultural de Rondônia: a Romaria do Divino Espírito Santo, será no dia 25 de abril, a partir das 10h, na Praça da Igreja Cristo Rei. Vamos juntos louvar e agradecer a presença divina em nossas vidas!"

segunda-feira, 16 de março de 2015

Que 2015 seja de ótimos resultados!

Ao desejar bons resultados precisamos elencar algumas situações:
1. Planejar o futuro
2. Analisar o passado
3. Repensar o futuro
4. Buscar parcerias
5. Projetar ações...
Agora é o momento de buscarmos companheiros e companheiras que gostem de trabalhar e possam cooperar!
Mãos à obra!

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Planejamento

2013 chegou!
Novo tempo de novas oportunidades e expectativas!
Estamos nos organizando para essa novo tempo de 
"Educação de Cara Nova".

Cá estamos, dispostos à colaborar!